Comissário Real

Um documento selado
Em lugar da antecâmara.
Um passo após o criado.
Envelope odor de tâmara.

Vê-se o marco vermelho.
Selado com cordas finas.
É do Rei que me valho?
Ou a carta é da Rainha?

Por quê não abrí-lo?
Fora a mim destinado.
Leve, um terço do quilo.
Preparei-me. Era um fardo.

Pois eu de óculos li:
“És bem quisto, jovem.
Amanhã estejas aqui.”

Parti. Levei a bagagem.
Não deu. Tarde cheguei.
Perdi o andar da carruagem.

11/09/2010

Luiz Felipe Urias dos Santos

Anúncios

Sobre Lipeh

Caminha, toca, pensa e repara. Aprecia o que é incomum e gosta de brincar com palavras, sons. Convida as pessoas a buscarem epifanias, usarem os sentidos como inspiração de vida e dormirem felizes caso não alcancem-nas. Valoriza a beleza diferente, o incerto, a família, os erros, o ser humano. O Ser Humano.
Esse post foi publicado em Poesias e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Comissário Real

  1. Guil5566 disse:

    Muito pensou,
    Quando viu
    Falhou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s