Memória de Guerras

Escreveria um dia à família
Tentando por vez não contar
O desastre de ira divina
Minha vida sutil tomará.

Durante a semana eu via
Transtorno virar obsessão.
Cabelos, um tanto grisalhos,
De um senhor de melhor intenção.

Uma proposta eu receberia
Combater em cólera, tensão
Guerra, esta em minha vida
Pensava nunca ter razão.

Dizeres por ti, mal guiado
Tilinta o míssil, uma ogiva,
Contra aqueles sem perdão, pecado,
Ateá-los em fogo, sem esquiva.

06/09/2010

Luiz Felipe Urias dos Santos

Anúncios

Sobre Lipeh

Caminha, toca, pensa e repara. Aprecia o que é incomum e gosta de brincar com palavras, sons. Convida as pessoas a buscarem epifanias, usarem os sentidos como inspiração de vida e dormirem felizes caso não alcancem-nas. Valoriza a beleza diferente, o incerto, a família, os erros, o ser humano. O Ser Humano.
Esse post foi publicado em Poesias e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Memória de Guerras

  1. Guil5566 disse:

    nada como mandar um enlouquecido pela vida para a guerra

    desestressar é arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s