Meu repúdio com a sociedade contemporânea.

Não posso deixar passar reto a oportunidade de comentar um pouco sobre o que vemos hoje em dia, fato lembrado por essa tirinha.

Sabe, nunca entendi direito a ligação entre homossexualismo e romantismo.
Na verdade, sou até a favor do homossexualismo, as pessoas devem buscar sua felicidade em todos os sentidos desde que não afetem negativamente ou prejudiquem os outros ao seu redor.

Desde os tempos do emocore deu pra confirmar a visão “machista” da sociedade, que homem tem que curtir pegar/ficar/acasalar com quantas fêmeas puder e dane-se, vamos fazer estatística.
Homens não choram, não têm sentimentos, não se apaixonam, nem sequer pensam em amor. São puras máquinas do sexo.

Hoje em dia o cool é repudiar coloridos, que são a reversal russa dos emos onde ao invés de odiarem o mundo e mostrarem essa tristeza usando roupa preta, franjão e cortando os pulsos, usam roupas coloridas e são babacas felizes por serem babacas. Nada pessoal, só pra constar, mas as letras das bandas que representam esses é de facepalmear.

Por fim ainda combinam tudo isso com o homossexualismo em geral. Ao invés de verem como as pessoas estão saindo do armário e sendo felizes com suas decisões, pelo contrário, vemos a galerë falando o quanto homens estão virando bichinhas e criando lésbicas no mundo. Claro, é tudo culpa da sua opinião.

Faço questão de constar que não estou necessariamente de nenhum dos lados. Na verdade, eu apesar de ser a favor de gays e lésbicas, eu não acho necessário mulheres virarem machos peludos com voz grossa ou homens dando piti . Por sinal, é aí que entra justamente a questão de invadir o espaço do outro, quando você demonstra à sociedade o seu jeito de ser, mas de uma maneira incômoda. É possível ser feliz e viver na sua, porra.

Agora, onde até o momento foi citado algo em relação a romantismo? Pois bem, vamos lá. Deixando claro antes que não digo do movimento literário, mas de ações românticas por si só.

Há não muito tempo atrás a escrita, a música e as atitudes de um homem que demonstrassem sua paixão referente à amada eram consideradas artes raras e valiosas. Sempre foi difícil achar homens com este perfil, ao menos os que o faziam de coração ao contrário dos charlatões, mas eram valorizados. Acredito que as mulheres sempre preferiram os homens mais sentimentais, até atingirmos nossa época atual onde elas possuem foco em “quem tem a pegada”.

Óbvio que tanto homens quanto mulheres não respiram amor. Há horas em que o importante é curtir o momento para ambos os lados, sem parar para pensar no lado emocional da coisa, focando-se no calor da situação, mas o papel de quem sempre acabava pendendo mais para esse lado era o homem. Hoje em dia os papéis se inverteram, e são as mulheres quem correm atrás do fogo, enquanto alguns homens se sentem finalmente com a oportunidade de serem sinceros com o que sentem. Não é uma reversal russa total, vale ressaltar.

Claro, se pararmos para comparar com o movimento literário citado acima, os mais próximos que chegaram disso foram os emos, criticando a sociedade atual do jeito deles, pensando na morte e pessimismo. Eu, todavia, prefiro me arriscar na geração do subjetivismo, do sonho e do exagero. Por mais que seja impossível você seguir uma vertente e ignorar todas as outras características dela (afinal quem vê com os olhos de um romântico não consegue ignorar os males da vida e sociedade até que seja cego pela paixão), eu, sei lá, quero acreditar que seja possível viver apenas para imaginar esse amor de início platônico, e então visualizar uma rota onde há um final feliz. E nesse campo de visão há espaço para testosterona, assim como para a falta dela.

É possível amar e ser amado, não importando seu sexo, crença, etnia, opção sexual, estilo ou cor de roupa. Você já se deu uma chance para pensar nisso e arriscar? Não é necessário pagar de fodão pegador caso você o faça apenas para enganar a si e aos outros. Pelo contrário, isso só será pior para ti. Se é sua opção, seja feliz e se orgulhe dela, mas caso não, lembre-se que “sair do armário” é válido para muitas coisas, incluindo mudar a si próprio de acordo com o que você acredita, indo de visual a atitudes.

Eu acredito que é possível homens serem românticos. É possível você encontrar sua felicidade e ninguém se meter nela. E é possível você ser feliz sem ser um babaca.
Basta você abrir um pouco mais os olhos, enxergando além do moralismo e preconceito que a cultura lhe impõe.

Basta estar vivo que tudo é possível.

E estando vivo, basta sorrir.

Anúncios

Sobre Guil5566

Seu bom e velho Guil/Sion. Estrategista, conselheiro de guerra, psicólogo, massagista, filósofo, guru do amor e poeta nas horas vagas, além da tendência a otaku e nerd. A dica é: a ignorância é uma dádiva.
Esse post foi publicado em Life Log. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Meu repúdio com a sociedade contemporânea.

  1. Leonardo disse:

    É fato que, homens românticos estão em queda profunda. Grante maioria responsável sim, por esse “conceito pegador”, outros, de mulheres também buscando isso.

    Acho que houve uma grande banalização do romantismo, por ambas as partes. Tanto mulheres quanto homens. Mas claro, eu ainda tento, mesmo que raramente, abrir uma porta do carro, dar umas rosas ou, um poema.

    Mas, é difícil. Enfim, nunca tinha visto os “coloridos” por este lado. Até deu um conceito a mais, mas, não. Coloridos, não precisam ser afeminados ou algo parecido. Curta a vida.

    Enfim, belo texto.

  2. Lipeh disse:

    É difícil que admitam, mas cada vez mais o egoísmo no relacionamento prevalece e nesta todo mundo se dá mal. Homens e mulheres preocupados somente com o próprio prazer. Perdemos grande parte do cavalheirismo, da honestidade e do romantismo.

    A reverssal russa do texto é bem presente e raras são as exceções. A questão é que nunca será satisfeito alguém que não sabe o que quer. Ela acha necessário o que tem a pegada e chora por que ele a trai.

    Eu mal digo coloridos justamente pelo senso comum deles, usar a moda dos ídolos e participar de certa coisas simplesmente em nome do grupo. Falta a eles opinião própria. Bom que até agora eu não tive problemas com nenhum colorido.

    Termino este comentário com a seguinte frase do texto:
    “É possível ser feliz e viver na sua, porra.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s